Barreiras no Processo de Comunicação

Atualizado: 25 de Out de 2019

A esta altura, você e muitos outros já devem ter percebido que a comunicação tem muita importância no dia a dia, sendo assim é importante ter atenção aos ruídos ou barreiras que atrapalham o processo de comunicação, a qual se existir falhas podem gerar interações ruins entre os indivíduos causando prejuízos às organizações.


Vamos mostrar para você as principais barreiras de comunicação e também dicas de como diminuir e até mesmo eliminá-las.



Vamos aprender mais um pouco?


Mesmo parecendo simples e direto, nem sempre a comunicação acontece

da forma como esperado. Provavelmente você já deve ter passado por diversas situações onde você queria comunicar A o seu interlocutor entendeu C e isso pode acontecer tanto na comunicação verbal como na não verbal. E estas falhas no processo comunicativo pode ser classificado como uma "barreira de comunicação", devido os ruídos e as dificuldades na compreensão da mensagem. Vale ressaltar que este ruído nem sempre se apresenta na forma de um som, ele pode ter natureza física, psicológica ou fisiológica.


O publicitário inglês David Ogilvy, dizia que “comunicação não é o que você diz,

é o que os outros entendem”. Para ele o que realmente importava era em saber como

seu público alvo estava entendendo a mensagem, para a partir daí medir o sucesso

de suas campanhas publicitárias.


Essa é uma preocupação que todos nós deveríamos ter quando emitimos uma mensagem. Ao nos comunicarmos com alguém que não compreende a mensagem que tentamos transmitir ou entende parcialmente, podemos dizer que não ocorreu a comunicação. O importante é buscar entender o porquê das falhas na comunicação e levantar as diversas origens, inclusive por barreiras psicológicas.


Segundo Bahia (2013), em nosso cotidiano, convivemos com diversas pessoas e vivenciamos situações que podem despertar emoções distintas como felicidade, medo, raiva, vergonha etc. Emoções que podem facilitar ou dificultar o processo de comunicação, gerando diversas barreiras que atrapalham o entendimento de uma ou de todas as partes envolvidas no processo de comunicação. Existem outros fatores também como cultura, valores, experiência de vida, fobias, etc.


Vamos imaginar que você tenha medo de falar em público e por acaso é chamado para liderar uma reunião com trinta pessoas. O que provavelmente você irá fazer é se preparar com antecedência para o evento e mesmo com toda a preparação antecipada poderá ficar tenso durante a reunião, o que pode comprometer o seu desempenho. Neste caso, o medo de falar em público gerou uma barreira de comunicação,

prejudicando sua apresentação e possivelmente o entendimento dos integrantes.


Além da barreira psicológica, citada acima, existem outras que podem prejudicar a comunicação e vamos a elas:


•• Individualismo: O caso onde o ouvinte só presta atenção em si mesmo, nos

próprios pensamentos e argumentos, não conseguindo absorver o que

está sendo comunicado por outras pessoas.


•• Preconceito: O ouvinte tem algum tipo de preconceito com aquele que

está transmitindo a mensagem, como por exemplo um profissional mais

velho que ignora as opiniões de um jovem iniciante na carreira por achar que

não tem experiência o suficiente.


•• Traumas: O receptor não consegue prestar atenção por ter vivido alguma experiência desagradável em alguma situação semelhante.


•• Distração: Sã os fatores externos à mensagem que dificultam sua percepção, por exemplo onde em uma conversa você começa a receber mensagens no seu celular e mesmo que você não dê atenção a isso, ficará tentando imaginar quem a enviou e o assunto


•• Presunção: Quanto uma pessoa supõe que a outra já conhece o

conteúdo de sua mensagem. Geralmente em situação onde se utiliza termos técnicos sem saber se o receptor detém do mesmo conhecimento.


•• Confusão: Assuntos que não seguem uma sequência lógica ou coerente,

sendo impossível que o receptor consiga criar uma imagem mental sobre o assunto.


•• Credibilidade: Relaciona-se à confiança que temos no remetente da mensagem. É mais fácil aceitar a explicação de um emissor com status do que de alguém que acreditamos ser leigos e isso é um diferencial importante para que confiemos no que

ele diz.


•• Defensividade: Ocorre quando o receptor já tem uma imagem formada

sobre o tema ou quando não simpatiza com o emissor.



E então, superando as Barreiras na Comunicação.


Independente de qualquer contexto é importante sabermos que para o desenvolvimento de uma boa comunicação é necessário:


•• Falar de forma simples e objetiva.


•• Faça uso de uma linguagem que o seu público compreenda.


•• Retificar com o seu interlocutor se ele compreendeu aquilo que quis dizer.


•• Ser paciente.


•• Ser espontâneo.


•• “Ser curto e grosso”. Dizer o que pretende de forma pausada e calmafocando na mensagem essencial.


•• Preparar-se para dizer aquilo que quer comunicar.


•• Prestar atenção à sua linguagem não-verbal.


•• Ser compreensivo com o seu interlocutor caso seja interrompido.


•• Pratique a escuta ativa.


•• Tenha empatia.


•• Aceitar feedbacks da sua comunicação dos mais variados interlocutores.



A comunicação, de longe, é um elemento fundamental em nossos relacionamentos seja ele qual for, e por isso torna-se essencial compreendermos quais as melhores formas de se comunicar e por em prática. A comunicação nos liga ao próximo por meio da empatia que vai além de qualquer simbolismo ou metáfora comunicada. É também por meio dela que conseguimos aprender e evoluir como sociedade e também como espécie, pois nos permitiu a integração de conteúdos de outros que como nós comunicam, mesmos por vezes o fazerem noutras línguas, noutras culturas, ou noutros rituais.



Que tal praticar a sua comunicação?




Um grande abraços.

Equipe Jobix Soluções em Recursos Humanos.




Fontes:

BAHIA, J. Introdução à Comunicação Empresarial. 2. ed. Rio de Janeiro: Mauad 2013.

JAKOBSON, R. Linguística e Comunicação. 5. ed. São Paulo: Cultrix, 1995.

21 visualizações